Como é que funciona o CLP?

Este post é quase que uma continuação do post “O que é CLP?” se você ainda não leu, corre lá e depois volta aqui pra continuar lendo este post.

Como já explicamos em um outro post o que é o CLP, este vamos aprofundar mais no assunto te dando mais detalhes sobre como funciona e tudo mais.

Pelo o que é composto?

Ele é composto dos seguintes itens:

  • Memória: que é onde as informações para a execução das atividades ficam armazenadas;
  • Cartão de entrada: receptor do sinalenviado pelo ambiente externo, que envia pra dentro do CLP;
  • Processador: é um chip que vai cuidar de processar o programa;
  • Cartão de saída: manda um sinal elétrico para o ambiente externo pra acionar algum equipamento;
  • Barramento:  é uma placa eletrônica que cuida da comunicação entre os itens acima;
  • Fonte de energia: alimentação do equipamento.

Não só de componentes físicos vive um CLP, existem outros abstratos também que vamos falar sobre mais pra frente no texto.

Cada componente faz uma coisa, mas todos eles trabalham juntos. Trabalho em equipe!

Tá, mas no fim, como ele funciona?

CLP tem funções que podem ser consideradas rotinas.

Por exemplo, um alarme de incêndio. Sempre que alguém apertar o botão do alarme, o mesmo vai tocar. O CLP é a ferramenta usada para programar tal função.

Entradas e saídas – etapas de programação

Pelo computador, um profissional vai a colocar no programa a função que ele deseja – ao apertar o botão, o alarme de emergência deve tocar.

Entrada: apertar o botão – gatilho para a ação
Saída: alarme de incêndio tocar – resultado da ação

Em um único CLP é possível executar várias funções, pois existem várias entradas e saídas nos cartões.

Essas funções nos cartões são em geral, identificados por “endereços”. Vamos dizer que os endereços no caso são letras. Então, imagine que apertar o botão esteja endereçado na “entrada A” e tocar o alarme de incêndio na “saída A”. Quando alguém apertar o botão, um sinal elétrico vai ser enviado ao cartão de entrada, e geralmente tem um sinal (como uma luz) indicando se o endereço foi acionado.

Tem também a possibilidade de uma única entrada estar conectada a várias saídas ao mesmo tempo. Por exemplo, ao apertarmos o botão do alarme, podemos fazer o alarme tocar, acender uma luz vermelha, e qualquer outra coisa que possa ser programada. É possível também que várias entradas estejam ligadas uma única saída.

Caminho percorrido da informação

Bom, nenhum  dos componentes do CLP sabem qual será o resultado da ação, ou seja, a saída. Essa conexão é feita por um eletricista que conecta os fios ao CLP.

Quando o botão for apertado, um sinal elétrico vai ligar a entrada A. O cartão de entrada vai reconhecer que o fio está energizado, e é essa a única informação que ele tem: a entrada A foi acionada. E isso nos leva a “tabela imagem de entrada”.

Tabela imagem, o que é isso?

É uma área da memória do nosso querido CLP. Existe a tabela imagem de entrada e a de saída. Na de entrada ficam as informações que o cartão de entrada envia: se a entrada está acionada ou não.

O programa vai analisar baseando nas informações que foram registradas na memória, que se a entrada “A” é acionada, a saída “A” precisa ser acionada. Depois disso o scan entende a informação e executa o programa.

Então, o programa vai mandar essa informação para a tabela imagem de saída, onde ficam guardadas as informações do carão de saída. Isso acontece no momento em que o scan verifica outras informações do programa.

E então, finalmente, depois de tudo isso, a função do cartão de saída é mandar um sinal elétrico. E é aí que o alarme de incêndio toca.

Scan, como é que ele funciona?

Por fim, vamos falar sobre como funciona o scan.

Bom, o scan lê a primeira linha de código (no mundo da programação, cada linha tem uma informação). E ele faz isso todos os dias, várias vezes ao dia e fica ligado 24 horas por dia.

 

Conheça nossos produtos para automação industrial:

Acelerador de torno
Alimentador de barras
Supervisório fabril

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *